Menu

DISCOTERJ

Associação dos Dj's e Vj's no Estado do Rio de Janeiro

CNPJ: 28.009.124/0001-57

Vanessa, a DJ Trans

16 JAN 2020
16 de Janeiro de 2020
Vanessa, a DJ Trans

A DJ Vanessa, tem sido motivo de discussão na cena DJ carioca devido a sua transformação, deletando definitivamente a sua origem e o seu nome Fabio, priorizando a sua convicção quanto à mudança. Essa mudança é tão grande que ela diz se irritar quando alguém do seu passado a trata pelo nome de batismo: Fabio ou Fabinho, que segundo ela foi o nome dado pelos seus pais, ao passo que Vanessa foi o nome escolhido por ela mesma.

A sua transformação de certa forma seria questionada e embora sendo pelo mesmo motivo, a DJ Vanessa resolveu que para alguém ser feliz, não pode e nem deve dar ouvidos a críticas, especificamente as desconstrutivas. A partir disso entrei na busca por fatos relacionados tanto ao deletado Fábio, quanto aos fatos em torno da nova Vanessa.  Fuxicando o Facebook dela, para a minha surpresa, encontrei algo que não tínhamos conversado para complementar essa publicação. Trata-se de algumas fotos onde ela exibe parte do corpo, ousando na calcinha. Imediatamente entrei em contato com ela para saber se eu poderia falar sobre esse fato nessa publicação, e com toda serenidade argumentou que desde que se assumiu trans, resolveu que não poderia se prender ao fato do povo brasileiro estar ou não preparado para acompanhar o ritmo acelerado das tantas transformações. 

Transição

Eu também quis saber se ela estava preparada para alguma crítica, especialmente depois dessa publicação, que levará alguns a lhe procurarem nas redes sociais. Mais uma vez respondeu com muita firmeza que esteve escondida por toda uma vida sem se considerar feliz, mas que hoje, após essa liberalização se sente livre e feliz, seja com calça, saia, ou calcinha sensualizando o corpo. Ainda complementou que não pede para ninguém abrir o seu perfil, e que se abrem e têm paciência de ver todas suas fotos são porque querem a conhecer melhor.

Nos seus 40 anos de idade ela frisou com clareza que já transformou muitas coisas na sua vida, só não transformou o gosto pelos discos de vinil, sua grande paixão! E não esquecendo que um dos gêneros musicais mais admirados pela DJ fica por conta do Miami Bass, ritmo que embalou o Brasil nos anos 80, fruto da sonoridade estonteante da bateria eletrônica, a tal Roland TR-808; precisa-se de mais? Eu diria que sim. Não podemos deixar para depois o testemunho de que tem o mesmo sentimento pelo Freestyle e o Eletro Bass brasileiro. Nos encontros de DJs Vanessa fica muito atenta aos hits que embalaram os anos 70, citando o Charme como apaixonante e em tempo acrescentando a Dance music e a Pop Music. Afinal, música é música.

Um dos gêneros musicais admirados pela Dj Vanessa é o MIAMI BASS

Seria muito oportuno falar que a DJ Vanessa imigrou de admiradora para se tornar uma grande colecionadora. Fala com muito orgulho do seu acervo com mais de três mil discos de vinil, sem contar que no meio da sua preciosa coleção existem algumas raridades das quais não se desfaz de jeito nenhum. Ela destaca que muitas vezes teve que saber se controlar para não fazer negócios precipitados quando as propostas eram tentadoras. Depois das informações sobre os seus discos de vinil, a DJ lembra que foi durante o tempo conhecendo vários DJs e grandes colecionadores, conhecimento esse que acabou aproximando-a de grandes feiras de vinil que acontecem em pontos estratégicos da Zona Norte, Zona Oeste e Niterói. Muitos dos nossos amigos DJs e colecionadores falam da Vanessa com muito carinho. Alguns se precipitam dizendo que a conheceram quando ainda era o Fábio ou Fabinho, mas que acima de tudo a respeitam e desejam que ela seja muito feliz com a opção dela, principalmente por se tratar de uma pessoa incrível. 

O DJ Nino Leal, que todos conhecem pelos seus mirabolantes scracht, foi o instrutor da DJ nas técnicas de mixagens. Perguntei-lhe sobre o índice de aproveitamento dela e ele relatou que houve muito empenho, mas que as dicas dadas por ele foram melhores aproveitadas porque na época o Fabio já tinha alguma noção de batidas. Eu quis saber mais sobre a Vanessa do passado, e ele enfatizou que conhecendo o Fábio de outros tempos, não seria tão fácil se acostumar com a nova identidade de quem um dia foi seu amigo. Esse mesmo depoimento foi dado por outros DJs, mas não achei relevante.


Dj Vanessa tocando os grandes clássicos do MIAMI BASS

Como estamos vivendo em fase de mudanças, a DISCOTERJ, também se orgulha de ter a DJ Vanessa como uma das associadas, e por que não dizer a primeira DJ Trans, entre os demais membros? Mesmo porque independente da mudança que vem acontecendo pelo mundo, todos têm o direito de serem o que quiserem e o nosso dever é acompanhar as milhares de mudanças que já aconteceram e muitas outras milhares que virão por aí.

Entre uma conversa e outra, a DJ Vanessa me deixou confusa ao revelar que, embora sendo amante das MK2 e tendo noção de como fazer uma pista fervilhar, não pretende tocar profissionalmente e que sua disponibilidade de tempo se restringe somente aos Sábados à noite e Domingos. Aproveitou e mandou um recado para os DJs, garantindo que não se preocupem por não ser mais outra DJ disputando uma vaga. Vanessa prefere continuar na empresa em que trabalha, a SODEXO, que a contratou independentemente de identidade de gênero, e que merece toda nossa  admiração por essa atitude.

by DJ Sandra Gal

ACESSE O NOSSO CANAL NO YOUTUBE - CLIQUE AQUI
Voltar
Tenha também o seu site. É grátis!